Fazer sabão "a frio" passo a passo


Finalmente decidi escrever o "passo a passo" de como fazer sabão através do processo a frio. Vai ser uma mensagem longa e só de texto. Porquê? Porque quando faço sabão não tiro fotografias porque estou a fazer sabão. Quando faço sabão estou sozinha em casa logo não há ninguém para me fotografar.

O processo de fabricação de sabão aqui descrito é o processo a frio. Antes de o iniciar, é necessário reunir todo o material necessário para fazer sabão e os ingredientes que dependem da receita que se vai fazer (ainda não publiquei nenhuma). A seguir, deve cobrir-se o plano de trabalho com jornal, encher uma bacia com água e vinagre e outra bacia só com água, para facilitar a lavagem de utensílios.

Nota: o vinagre deve ser utilizado para lavar a soda caústica caso esta caia por acidente em cima da pele.

  1. Juntar o material, os ingredientes, cobrir o plano de trabalho com jornal e encher as duas bacias, uma com água e outra com água e vinagre.
  2. Preparar a forma onde se vai deitar "massa de sabão". Esta deve ser untada com gordura caso seja uma forma em silicone ou forrada com papel "impermeável" caso seja noutro material. Preparar a película aderente que irá cobrir as formas.
  3. Juntar as gorduras sólidas - manteiga de côco ou de karité, etc. - no recipiente reservado para preparar a massa de sabão. Aquecer em banho-maria.
  4. Calçar as luvas, colocar a máscara e abrir a janela se se estiver no interior.
  5. Pesar a soda caústica (hidróxido de sódio) num recipiente pequeno. Pesar a água destilada no recipiente de vidro resistente.
  6. Com muito cuidado e precaução verter lentamente a soda caústica para dentro da água destilada (e não o contrário!) mexendo bem até que a soda se dissolva completamente. A temperatura da solução vai subir rapidamente e pode atingir 96°C ao mesmo tempo que liberta vapores tóxicos. É neste momento que convém estar num local bem arejado e ter muita atenção para não respirar sobre o recipiente. Colocar um dos termómetros na solução e deixar em banho-maria de água fria para acelerar o processo de descida de temperatura.
  7. Misturar as gorduras sólidas até que estejam liquefeitas. Retirar do banho-maria e juntar as outras gorduras. Colocar um dos termómetros dentro dos óleos.
  8. Verificar a temperatura de ambas as misturas até que ambas atinjam 27°C. A temperatura da soda caústica pode descer 2°C abaixo da temperatura dos óleos. Caso se verifique necessário, refazer os banhos-maria.
  9. Verter lentamente a mistura de água e soda na mistura de óleos num fio contínuo (e não o contrário!) e mexer energicamente com a espátula. Continuar a mexer energicamente depois de incorporar toda a soda caústica, substituir a espátula pela varinha mágica, continuar a misturar até atingir o "traço" ou "ponto de traço", ponto que que quando se mexe a mistura se vê um traço deixado pelo objecto que mistura.
  10. É agora - quando se vê o "traço" - que se misturam os últimos ingredientes como os óleos essenciais, as argilas, etc. As argilas e pós de plantas, afim de evitar grumos, devem ser diluídos num pouco de massa de sabão antes de serem incorporados na mistura. O mel, se for sólido e quando utilizado, deve ser derretido em banho-maria. Misturar bem com a espátula até que à homogeneidade da "massa de sabão".
  11. Verter a massa na forma previamente preparada e cobrir a superfície com a película aderente de forma a que não haja ar na superfície. Cobrir com uma toalha e deixar repousar pelo menos 24 horas sem abrir para que a massa saponifique.
  12. Com as luvas calçadas, limpar os utensílios com o papel de jornal que cobre o plano de trabalho.
Após as 24 horas de secagem da massa de sabão:
  1. Calçar as luvas de protecção e cobrir o plano de trabalho com papel de jornal e papel "impermeável", o sabão é ainda muito corrosivo. Desenformar a barra de sabão que deve encontrar-se no estado sólido. Com uma faca da lâmina lisa e a ajuda duma régua, cortar a barra de sabão em barras mais pequenas com o formato e tamanho desejados.
  2. Raspar cuidadosamente a camada esbranquiçada que se acumulou no topo do sabão. Esta camada é um depósito de soda caústica que se forma à superfície do sabão e que é corrosivo.
  3. Alinhar os sabões já cortados numa superfície protegida com papel deixando um espaço de aproximadamente 2 cm entre eles. Armazenar os sabões para que estes curem num local abrigado do sol, temperado e arejado durante aproximadamente 1 mês. O processo de saponificação continua durante o período de cura e enquanto este não estiver terminado o sabão é demasiado agressivo para a pele. Por isso, é necessário esperar pelo menos 4 semanas até poder utilizar o sabão.
Esta mensagem, devido ao seu tamanho e densidade, pode ter erros. Não hesitem em notá-los caso os encontrem. Eu continuo a escrever em português anterior ao último A.O.